fundo parallax

5 BANDAS / ARTISTAS #2 (05/18)

 

A série 5 Bandas/Artistas é uma forma de apresentar ao público alguns grupos nacionais que foram considerados dignos de nota pela edição do Road To Cydonia.

Misturando estilos e sonoridades, a lista tem como intuito a difusão de tais grupos de forma econômica e direta, assim como incentivar a troca de informações sobre talentos que têm dado as caras no nos últimos tempos. Sem mais delongas, vamos à segunda edição:

fundo parallax

DEB AND THE MENTALS (RJ)

Falando de forma curta e grossa: Deb and the Mentals é um grupo de Punk Rock que se apresenta como tal, soa como tal e entrega exatamente o que promete: um bombardeio sonoro visceral e tão grosseiro quanto esta apresentação. Com um EP e um disco no currículo (respectivamente, Feel The Mantra e o competente Mess), o quarteto paulista é bem-sucedido ao ancorar sua sonoridade nas bases de seu estilo sem qualquer tipo de reserva, deixando o pau quebrar por meio de um instrumental ágil, dum senso constante de crueza e da presença explosiva da vocalista Deb Babilônia.



Eficiente e empolgante em sua execução, o grupo merece crédito pela forma com que não tenta reinventar a roda, alcançando bons resultados ao se manterem leais à simplicidade de sua proposta e potentes em sua entrega energética. Recomendado para todos aqueles que desejam exemplos de como que fazer o elementar com competência e dedicação é, por vezes, mais que suficiente.



LINK OFICIAL DISCO RECOMENDADO
fundo parallax

TRAVELLING WAVE (SP)

Poucos grupos têm a habilidade de imediatamente zoar com a cabeça do ouvinte ao mesmo tempo em que passam uma mensagem clara e marcante como acontece com este Travelling Wave. Fundado em meados de 2013, o quarteto paulista realiza uma costura audaciosa e instigante de Shoegaze, Psych, Noise, Synth Rock e Post-Punk numa mistura que poderia facilmente descambar para o caos absoluto mas acaba surpreendendo por soar carregada e desnorteante ao mesmo passo em que se mantém altamente coesa e devidamente característica.



Com uma trajetória prolífica que, até então, rendeu dois álbuns, um EP (o excelente Simoom) e um apanhado substancial de singles, o grupo surge como um dos exemplares mais contundentes a surgirem no circuito underground nos últimos anos. Dotados de dois grandes trunfos na caracterização sombria da sua sonoridade e na voz marcante de Carol Alleoni, Travelling Wave é uma indicação direcionada para aqueles que desejam conhecer um projeto que mescla densidade, potência e uma sensibilidade bem particular num mesmo pacote.



LINK OFICIAL DISCO RECOMENDADO
fundo parallax

THE SHORTS (PR)

Outro grupo que tem despontado recentemente no circuito independente, o quinteto The Shorts tem ganhado espaço e renome por conta de sua mistura soturna de Post-Punk, Shoegaze e Noise, a qual forma um quebra-cabeça sonoro cuidadoso que soa visceral e melancólico em doses equivalentes (nomeado como Bluenoise pelos próprios). Alçado à condição de promessa indie, o grupo curitibano gradativamente vem se desvencilhando de amarras estilísticas e rumado para o desenvolvimento de uma sonoridade que, embora ancorada em símbolos característicos, revela nuances surpreendentes e um senso de expressão insuspeito.



Munido de dois notáveis cartões de visitas (o EP Serendipity e o LP Dawn) e um currículo crescente de apresentações marcadas por um clima imersivo e dinâmica pulsante, o The Shorts caminha com segurança e pleno potencial para se tornar um nome bem expressivo do rock alternativo nacional. Fortemente recomendado para aqueles que desejam ouvir uma espécie de fusão entre Siouxie and the Banshees e Warpaint com pinceladas de Sonic Youth (ou algo bem próximo disso).



LINK OFICIAL DISCO RECOMENDADO
fundo parallax

THE BIGGS (SP)

Se houvesse uma forma de medir o nível de fúria visto no som do The Biggs, certamente o resultado seria equivalente ao de um Berserker. Formado em 1996, o trio sorocabano é um dos exemplos mais notórios de bandas brasileiras surgidas no contexto do Riot Grrrl e do Pós-Punk, revelando tanto uma força inquestionável (sonora e ideológica) quanto uma indiscutível resistência ao tempo.



Dono duma sonoridade potente que impressiona pelo misto de agilidade com agressividade e um currículo que inclui um EP (I’ll Walk You Up!) e dois discos (Wishful Thinking e o excelente The Roll Call), o grupo merece figurar como uma dos exemplares mais contundentes a passar pelo Cydonia, sendo uma indicação crucial por conta da força tanto do seu ethos quanto do seu som.



LINK OFICIAL DISCO RECOMENDADO
fundo parallax

FAR FROM ALASKA (RN)

Discutivelmente um dos grupos nacionais de maior evidência da atualidade, o Far From Alaska aparentemente nasceu para ser referência. Fundado em 2012, o quarteto natalense teve sua curta história marcada logo de início por uma participação marcante no Planeta Terra 2012 (que gerou amplos elogios, incluindo a apreciação imediata da icônica Shirley Manson), a qual foi seguida por uma ascensão meteórica com direito a passagens por palcos cultuados como Lollapalooza Brasil, SXSW e Download Festival, vindo a consolidá-lo como um dos maiores e mais promissores exemplares do gênero no país.

E não é pra menos: Com uma sonoridade que mistura Stoner, Electro e Experimentalismo numa combinação que soa como uma mescla altamente acertada de QOTSA, Warpaint e The Mars Volta, o grupo cria um rock ancorado em riffs marcantes, grooves contagiantes, arranjos pulsantes e no vocal bombástico de Emmily Barreto. Tendo um EP (Stereochrome) e dois discos apoteóticos (modeHuman e Unlikely) no currículo, o FFA pode ser visto como um dos raríssimos casos de bandas cujo sucesso imediato denota não uma onda passageira, mas a promessa de uma frutífera e duradoura carreira que vem rumando para configurar um dos maiores candidatos a ícone do rock nacional para futuras gerações.



LINK OFICIAL DISCO RECOMENDADO
 

Dúvidas? Sugestões? Reclamações? Entre em contato enviando um email para roadtocydonia@gmail.com ou mande uma mensagem diretamente na página oficial do site no Facebook. Conheça os outros conteúdos do site na página inicial e até a próxima edição.

Guilherme Guio
Guilherme Guio
Publicitário, especialista em Comunicação Corporativa e Inteligência de Mercado, é o editor e redator principal do RTC. Atuando como consultor de Marketing Cultural na produtora cultural SERENA (da qual é sócio), resolveu dar vazão aos seus arroubos verborrágicos através deste projeto. Também é tabagista compulsivo, cinéfilo inveterado, adepto de audiófilo e dançarino amador vergonhoso nas horas vagas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.