fundo parallax

DICA RTC #6: DAN ABRANCHES (ES)

 

Com uma abordagem discreta e comedida, Dan Abranches emprega potência e sensibilidade para transitar entre estilos musicais de forma incisiva e se firmar como um dos nomes mais versáteis e promissores a saírem do atual circuito musical capixaba. (FOTOS: YouTube / Reprodução)


fundo parallax
 
 

Parte da fantástica onda de talentos emergentes que tem se desenrolado no Espírito Santo ao longo da última década, Dan Abranches é também um de seus exemplares mais ecléticos e discretamente eficazes. Com um histórico precocemente robusto de projetos musicais e uma versatilidade insuspeita, Abranches recorrentemente impressiona tanto por conta da intensidade que confere a cada um de seus trabalhos quanto pela segurança admirável com que passeia por diferentes estilos musicais, demonstrando enorme habilidade ao transitar confortavelmente por universos sonoros tão díspares quanto Rock, Folk, Pop e R&B.

 

Tendo circulado desde jovem por diversas cenas musicais (incluindo estadias prolongadas em Minas Gerais e São Paulo), Dan deu início à sua carreira com projetos como as bandas Olgah (tendo lançado um EP em 2009) e Surbelle (que rendeu um EP em 2011), vindo a alcançar exposição através de versões de composições populares até eventualmente gravar e lançar dois compactos em seu nome: Já Foi (2011) e Ruby (2017). Enquanto os compactos realizados junto da Olgah e da Surbelle representam incursões no pós-hardcore com fortes ecos de nu metal (e toda a visceralidade atrelada), o delicado Já Foi é um trabalho folk marcado pela solenidade e por um profundo caráter confessional. No entanto, é mesmo em seu mais recente compacto, Ruby, em que Abranches mostra a extensão de sua criatividade e a potência de sua voz (literal e figurativamente).

fundo parallax
 
 

Trazendo uma mistura arrojada de Pop e R&B num pacote marcado por espessas pinceladas jazzísticas que formam uma teia fluida com os beats onipresentes, Ruby é um EP dinâmico e feito com esmero que emprega suas quatro faixas para deixar uma forte impressão na mente do ouvinte e um nítido anseio por mais. Da abertura grudenta (Gold) à conclusão (Quartz [Pump]), o compacto ostenta apuro por meio de seus arranjos e performances vocais precisas, servindo como um cartão de visitas eficiente que, além de sucinto e extremamente agradável, ainda carrega duas faixas candidatas a hits (a dançante Ágata e a ótima faixa-título).

 

Com uma postura constantemente marcada pela sutileza (elemento que intensifica o impacto de sua sonoridade) e com um repertório de apresentações altamente energéticas que primam pela fidelidade e chocam pela intensidade de sua presença, Dan Abranches é uma figura carismática e inegavelmente talentosa que empolga com sua obra e dá indícios de um futuro repleto de vôos altos e caminhos imprevisíveis. E isso é mais que suficiente para render uma indicação. Vale acompanhar com bastante atenção.



LINK OFICIAL CONHEÇA O YouTube de DAN ABRANCHES
Guilherme Guio
Guilherme Guio
Publicitário, especialista em Comunicação Corporativa e Inteligência de Mercado, é o editor e redator principal do RTC. Atuando como consultor de Marketing Cultural na produtora cultural SERENA (da qual é sócio), resolveu dar vazão aos seus arroubos verborrágicos através deste projeto. Também é tabagista compulsivo, cinéfilo inveterado, adepto de audiófilo e dançarino amador vergonhoso nas horas vagas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.