fundo parallax

ENTREVISTA #1:
Daniel Furlan (ÓCIO)

 

Na primeira entrevista após o relançamento, conversamos com DANIEL FURLAN sobre o ÓCIO, seu compacto mais recente, o encerramento da banda, seu lado musical, entre outras coisas. (FOTOS DO SHOW: Vikki Dessaune / Fita Demo)

 
 

Oficialmente formado em meados dos anos 2000, o trio capixaba passou por várias formações, vindo a rodar tanto no circuito nacional quanto internacional (incluindo uma estadia prolongada na Inglaterra), presenciando o momento de maior transformação do mercado musical independente e deixando três registros em seu repertório.


Sendo assim, fizemos uma entrevista especial com Furlan sobre sua musicalidade, seu trabalho junto do ÓCIO, suas percepções sobre o trabalho com o mercado independente e seu gosto musical. Confira abaixo:

fundo parallax
 
 

RTC - Você já deve ter respondido isso inúmeras vezes, mas vamos começar pelo básico: Como surgiu o ÓCIO?


D.F. - O ÓCIO foi fundado por mim e pelo Chuck (Igor Peres). Mas consideramos que o começo oficial se deu em 2006, com a formação que se firmou comigo, Rodrigo Larica e Patrick Preato.


RTC - E como vocês eventualmente chegaram nessa sonoridade? Já existia a intenção de fazer essa fusão de Grunge e Blues Rock ou foi algo que veio do processo criativo?


D.F. - Na verdade, começou como uma tentativa de fazer uma banda punk, o que claramente deu errado. No começo, era mais rock de garagem, nada planejado, era o que a gente ouvia na época. Com o tempo, a pegada blues rock, que sempre esteve ali, foi aparecendo mais.

 
 

RTC - Além da mescla de Grunge e Blues Rock, uma das coisas mais interessantes no ÓCIO é a contraposição entre a energia do som e a mistura de cinismo e pessimismo das letras de várias faixas (vide Surprise, Surprise e All Right). Esse contraste sempre foi algo premeditado? Como você enxerga essa contraposição?


D.F. - Acho legal esse contraste, mas não é nada premeditado. As letras saem assim sozinhas. Só fui prestar atenção nisso quando você escreveu num review uma vez.


RTC - Outro elemento interessante na banda é a forma com que cada faixa consegue registrar o nível de entrosamento do power trio. Como a dinâmica de criação da banda foi mudando com o tempo?


D.F. - Sempre fomos de ensaiar muito. Um dos motivos do fim é que não conseguimos mais ensaiar. Banda ruim tem que ensaiar, o Rodrigo (Lima) do Dead Fish me deu esse ensinamento valioso. Não somos uma banda de chegar no estúdio ou no palco e fazer a magia acontecer porque somos fodões doidões. Nós gostávamos de estar sempre bem azeitados.


O processo de criação varia de acordo com a música, normalmente era uma música minha ou minha e do Chuck, que eu fazia a letra. Daí a banda ia fazendo o arranjo junta. Botava muita coisa em cima da ideia original. A faísca inicial era solitária e o arranjo totalmente coletivo. No último single tem a No One, que veio de uma ideia original do Larica, talvez isso viesse a acontecer mais se a banda tivesse continuado.

fundo parallax
 
 
 

RTC - E o que acabou sendo deixado de fora?


D.F. - A ideia era que a No One pesada viesse no próximo álbum, assim como as outras músicas novas, que seriam bem mais pesadas do que as desse single.


RTC - Contrastando o processo produtivo deste registro com o dos dois anteriores, o que você acha que foi o elemento mais marcante nas gravações de cada trabalho?


D.F. - No Mood Swings, nós queríamos que soasse exatamente de uma certa forma e ficamos em busca disso no estúdio. No Guilty Beat quisemos captar o momento. Alguns erros eram bem-vindos, gravamos todos juntos e evitamos ao máximo manipular na pós. Não misturamos takes nem usamos quase nenhum autotune. É bem menos editado, os instrumentos vazam um no microfone do outro. O single é um pouco dos dois estilos: O mais pós-produzido com o mais natural. As únicas coisas diferentes é que, pela primeira vez, gravamos uma versão duma música que não é nossa e usamos violão nas outras duas faixas. Ficou meio folk, mas espero não levar uma pedrada por dizer isso.


RTC - Diante dos encerramentos das atividades do ÓCIO, vem a pergunta: Existe alguma ação planejada em torno da obra da banda? Algum lançamento “póstumo” em vista?


D.F. - Estou querendo fazer clipes pras músicas. Sou escravizado pelo Audiovisual.

fundo parallax
 
 

RTC - Ao longo de todos estes anos, você esteve à frente de uma banda independente que passou por diferentes formações, gravou em períodos e contextos bem distintos, transitou em diversos circuitos, passou por diferentes países e participou de um dos períodos de maior transformação do mercado musical. Para você, quais foram os maiores percalços e aprendizados ao longo da sua história com o ÓCIO?


D.F. - Não aprendi nada, eu acho.


RTC - É possível afirmar que você é um cara polivalente, já que, além de músico, você também é ator, apresentador e roteirista. Mas quais os maiores contrastes destas atividades com sua posição enquanto músico e frontman? Quanto que atuar e escrever te somam como músico (e vice-versa)?


D.F. - Talvez "atuar" em clipes se torne mais natural. E escrever as letras também. Fora isso, acho que são universos bem diferentes.

 

RTC - E como é o seu processo criativo com a Música? Qual é o seu ponto de partida e como você costuma criar musicalmente, tanto sozinho quanto em conjunto?


D.F. - Algumas músicas saem muito rápido, mas, na maior parte dos casos, eu fico tocando um mesmo riff por muito tempo, obsessivamente, até que ele vira uma música. Pego pedaços de ideias de letra que tenho e tento escrever o resto com alguma unidade. Mas nunca deu certo.

 
 

RTC - Seu setup de guitarra também é interessante. Lembro que em alguns shows que vi, você usava uma ES-335 com um timbre altamente sujo e repleto de drive num arranjo que era bem inusitado. De onde surgiu este tipo de combinação? Quais equipamentos você tem usado ultimamente?


D.F. - Nesse último single, acho que finalmente cheguei no meu setup ideal. A guitarra, na verdade, é uma Gibson Lucille que comprei usada e que é dos anos 80, acho. É uma semi-acústica fechada porque queria o timbre da semi-acústica mas que também pudesse fazer um esporro muito alto. O amp é um Vox AC15 porque eu queria o AC30, mas não consigo carregar, e o pedal é um daqueles pré-amps valvulados da Blackstar. O violão de aço é um Tanglewood e o de nylon é um Di Giorgio Autor 3 ou 4 que é, na verdade, da minha mãe. Ou meu, não me lembro se ela me deu. É bem antigo, dos anos 70, e não soa como esses atuais deles. É bem melhor.

fundo parallax
 
 

RTC - Sendo um músico com anos de experiência e estrada, assim como habitante de um dos maiores pólos urbanos latino-americanos, o que você tem achado da cena musical independente atual? Alguma banda ou artista independente nacional tem atraído a sua atenção recentemente?


D.F. - O melhor novo nome pra mim é a Elza Soares. Aquele disco, A Mulher do Fim do Mundo, é uma das melhores coisas que já aconteceu no planeta Terra.

 

RTC - Anos atrás, você disse numa entrevista sobre o Guilty Beat que ser um artista independente é ter a liberdade para fazer o que se quer sem ter recursos para tal. Atualmente, qual conselho você daria para artistas e bandas independentes que estão começando?


D.F. - Quem sou eu pra dar conselhos? Tenho interesse em receber conselhos, especialmente de quem está começando com ideias frescas. Eu só acho que temos que tentar fazer as coisas do nosso jeito em vez de tentar adivinhar o que os outros querem. Ninguém sabe o que quer.


RTC - Após o fim deste capítulo na sua vida como músico, quais os planos pós-ÓCIO?


D.F. - Nenhum plano nunca.

 
 

Saiba mais sobre o ÓCIO na página oficial abaixo, confira os trabalhos audiovisuais de Daniel Furlan no canal da TV QUASE (clique AQUI) e fique de olho para mais entrevistas no Road to Cydonia. Quaisquer dúvidas, considerações, indicações ou questionamentos, basta enviar um email para roadtocydonia@gmail.com ou entrar em contato conosco através dos nossos canais oficiais. Até a próxima.



LINK OFICIAL DISCO RECOMENDADO
Guilherme Guio
Guilherme Guio
Publicitário, especialista em Comunicação Corporativa e Inteligência de Mercado, é o editor e redator principal do RTC. Atuando como consultor de Marketing Cultural na produtora cultural SERENA (da qual é sócio), resolveu dar vazão aos seus arroubos verborrágicos através deste projeto. Também é tabagista compulsivo, cinéfilo inveterado, adepto de audiófilo e dançarino amador vergonhoso nas horas vagas.

1 Comentário

  1. Patrick Preato disse:

    que-lindooo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.